fbpx
30/03/2020

Luz, literatura e ação

Por: Thaís Morgado dos Santos

 

Nas aulas de Língua Portuguesa do Colégio COC Novomundo, realizamos a leitura de um livro por bimestre, com o objetivo de desenvolver competências leitoras, capacidade de analisar a realidade e despertar o gosto pelo ato de ler. Acreditamos, que ao experienciar as linhas, é possível estimular valores importantes para vida.

Os alunos do nono ano do Ensino Fundamental II tiveram a missão de escolher uma obra literária para desempenhar a seguinte tarefa criativa e de muito empenho: produzir cartazes, imaginando adaptar as narrativas para o cinema.

Na atualidade, há uma grande demanda por criatividade, e a estética demonstra um papel fundamental. As narrativas dos livros permitem ampliar o conhecimento de mundo e conseguem exercitar a imaginação dos leitores, que tornam-se mais produtivos e inovadores.

Este projeto nasceu da necessidade de despertar a experiência e vivência literária; fazendo com que o estudante desenvolva o gosto pela leitura. Ao adquirir o repertório das obras, o jovem fica dotado de grande capacidade criativa, podendo externá-la das mais diversas formas.

Devido o papel fundamental que a tecnologia detém, sobretudo o design, fez com este elemento fosse selecionado como meio artístico de adaptar a leitura realizada e aprimorar as habilidades de criação para produzir um cartaz digno de Oscar.

 

Objetivos

  • Desenvolver competências leitoras;
  • Despertar o gosto pela leitura;
  • Reconhecer elementos de design que compõem um cartaz cinematográfico;
  • Transformar narrativa literária em contação de história;
  • Criar arte digital.

 

Após aulas sobre a plataforma de design utilizada (Canva), os alunos transformaram suas interpretações sobre os livros lidos em obras de arte digitais; e tiveram a tarefa de apresentar seus roteiros em sala para os colegas. Para elaboração foram apresentados cartazes de filmes considerados antigos, determinando uma estética a ser seguida.

Tornou-se obrigatório que a imagem retratada no cartaz fosse uma passagem da obra literária, ou uma metáfora importante. Outros elementos precisavam constar na produção, como: o título, nome do escritor no lugar de diretor, ano de publicação, uma frase retirada da obra e o nome do aluno como artista roteirista.

Cada um ganhou 15 minutos para expor seus roteiros, os quais, tiveram capacidade de emocionar, indignar e despertar a curiosidade dos colegas e professora.

O resultado é que entraram em sala como leitores de um livro e saíram com títulos emprestados dos colegas, assim, puderam conhecer a fundo sobre o que os demais falaram com tanto entusiasmo.

Foram realizadas perguntas sobre as histórias, e após o debate, chegaram à conclusão que cada livro escolhido significava muito mais que uma simples escolha, os alunos defenderam que representava quem eles eram, seus gostos e sonhos. Ao analisar os designs produzidos, admiraram-se com a capacidade e criatividade que tiveram para realizar a tarefa de colocar seus filmes (livros) em cartaz.

Entretanto

Entretanto Educação
Avalie o artigo
[Total: 0    Média: 0/5]
COMPARTILHE
PARTICIPE
Faça seu login
Avalie o artigo
[Total: 0    Média: 0/5]
COMPARTILHE
Recomendados
Outras matérias da mesma editoria