fbpx
01/07/2019

Jogos na Sala de Aula: Moonshot Thinking e o desenvolvimento das competências

Sergio Campelo 

Tornar o aprendizado para o aluno dando-lhe sentido deve ser, e acredito que é, o objetivo principal de todos nós, educadores. Dar sentido ao processo educativo é levar o aluno a compreender que o resultado de toda sua aprendizagem é favorecê-lo como cidadão nos relacionamentos sociais cientes de seus direitos e responsáveis por seus deveres, atuando como protagonistas na transformação da sociedade conscientes do seu papel social, e também seguir em frente como profissionais éticos e competentes para que contribua no mercado de trabalho.

E utilizar as abordagens e conceitos relacionados à estratégia inovadora de Moonshot Thinking favorecem e muito o êxito nesses resultados. O conceito de Moonshot Thinking (algo como pensamento voltado para a lua) popularizou-se por meio da gigante da tecnologia Google em 2013, envolvendo projetos audaciosos e inovadores por meio de sua fábrica (Google X) que tinha por objetivo tornar aquilo que parecia impossível, possível. A analogia com a chegada do homem à lua serviu como referência e metodologia para o desenvolvimento de seus projetos (o filme O Primeiro Homem na Lua, do original, First Man, do diretor Damien Chazelle lançado em 2018 relata bem como foi realizado todo esse processo).

Chegar à lua parecia um sonho inatingível, mas, como sabemos, foi realizado. A meta, que parecia impossível, um sonho pra lá de distante, foi atingida. Colaboração, trabalho em equipe, criatividade e ousadia ajudaram nesse objetivo e são principais lições que a empresa levou para seus projetos e seus desenvolvedores. A combinação de um enorme problema, uma solução radical e ousada e a utilização de tecnologia inovadora foram a essência do plano de ação realizado por todos os profissionais envolvidos que, juntos, contribuíram para a conquista desse objetivo.

A antropóloga cultural americana Margaret Mead afirma que “um Moonshot Thinker” (pensador moonshot) é alguém que não tem medo de falhar, alguém que não tem medo de arriscar, que olha para o quadro geral e trata o fracasso como um passo para o sucesso. Características como essa devem fazer parte daqueles que desejam realizar grandes projetos. Os pensadores do Moonshot têm grandes objetivos e sonhos elevados. Eles são inovadores e empreendedores e estão impacientes por mudanças positivas. Ousar, arriscar e não ter medo de falhar são as características dos profissionais que querem atingir grandes metas.

E foram essas características que levaram o primeiro homem a pisar na lua. Foi esse perfil que a gigante Google adotou para sua inovadora fábrica. Será que nós, educadores, podemos nos tornar grandes Moonshot Thinkers e levar nossos alunos a desenvolver essas competências e habilidades necessárias em sala de aula para que conquistem grandes metas? Como podemos dar-lhes a competência necessária para realizar aquilo que lhes compete e que consequentemente pode lhes favorecer para encarar um futuro desafiador? E qual metodologia inovadora podemos utilizar para trazermos os conceitos de Moonshot Thinking na sala de aula para que os alunos desenvolvam as habilidades necessárias para vencer os desafios? Jogos. Penso que a utilização dos Jogos pode ser uma estratégia bastante eficiente. Jogos envolvem. Jogos engajam.

Jogos dentro de uma intencionalidade pedagógica proporcionam uma evolução de habilidades e competências para que os próximos níveis sejam conquistados até o enfrentamento do desafio maior: o Boss. Aquele cálculo matemático mais difícil, aquela interpretação de texto ou fórmula química mais complexa. São os desafios maiores que nossos alunos têm que enfrentar.

E para que consigam, iniciamos os cálculos matemáticos com as quatro operações básicas e, conforme os cálculos vão ficando mais complexos, vamos estrategicamente dando aos alunos as ferramentas necessárias para que consigam enfrentar esses desafios maiores até chegar no mais difícil, como em um jogo. Ensinamos o be-a-bá do português, letras, sílabas, análise sintática para, depois, eles poderem interpretar os textos. Eles vão crescendo conforme as etapas, como num jogo. Ousamos utilizando os conceitos dos jogos para que eles cresçam e percebam que suas competências vão sendo adquiridas para a solução do desafio final.

Arriscamos, possivelmente erramos, revisamos, até acertarmos. E eles gostam que seja assim. Experimentam e constroem com a gente. Eles querem desafios, e saber que conseguem realizá-los é o que há de mais prazeroso para eles e mais gratificante para nós, professores. Aquele objetivo aparentemente não realizável no início, como o vilão mais difícil do jogo, é vencido com as competências ou ferramentas que lhes proporcionamos durante o processo de ensino e aprendizagem. É isso. Podemos apresentar o boss no início da aula, do ciclo, do semestre, ou do ano.

Mostrar o desafio e, dentro de uma estratégia com níveis de compreensão das dificuldades e crescimento das habilidades, seguir ao lado deles resolvendo as etapas e os desafios, dando-lhes encorajamento, oportunidade e a ferramenta adequada para relizar seus grandes projetos, como as ferramentas adquiridas durante a jornada do herói dentro de um jogo são necessárias para o enfrentamento dos próximos vilões. Como professores, devemos descer do pedestal e seguir ao lado deles. Com diz um famoso jornalista, vamos trazê-lo para o palco para que participem do espetáculo.

Dentro de uma metodologia Moonshot Thinking, nossos jovens podem realizar grandes progressos e, no final, vencer o desafio final. A viagem é longa? Um sonho impossível? Penso que mirando na lua podemos transcender pelo menos as paredes da sala de aula.

Entretanto

Entretanto Educação
Avalie o artigo
[Total: 0    Média: 0/5]
COMPARTILHE
PARTICIPE
Faça seu login
Avalie o artigo
[Total: 0    Média: 0/5]
COMPARTILHE
Recomendados
Outras matérias da mesma editoria