28/04/2019

Como a realidade virtual pode ser aplicada no ensino fundamental

Bruno de Brito Maciel

 

O uso da realidade virtual aumentada na educação se afina com o conceito da aprendizagem baseada em experimentos, com a prática dialógica, promovendo desafios e proporcionando trocas sociais e de colaboração. A dialogicidade não nega a validade de momentos explicativos, narrativos em que o professor expõe ou fala do objeto. O fundamental é que professor e alunos saibam que a postura deles, do professor e dos alunos, é dialógica, aberta, curiosa, indagadora e não apassivada, enquanto fala ou enquanto ouve, o que importa é que professor e alunos se assumam.

É inegável que ainda exista, até tempos bem próximos, muita resistência por parte dos professores em aceitar o uso da tecnologia em prol da educação, tendo em vista que muitos deles ainda proibiam que seus alunos utilizem o celular em sala de aula, mas não se pode esquecer que os alunos carregam um grande laboratório de informática no bolso, com aplicativos educacionais que podem ser utilizados em sala de aula, gratuitamente.

Esta forma de pensar a tecnologia a limita e diminui, pois, muitas vezes, parte do desconhecimento parte do educador. Pode-se deixar de lado um trabalho criativo e incentivador somente porque requer muita força de vontade e adaptação. Precisa-se cada vez mais inovar para fazer com que os alunos se sintam motivados e participem mais ativamente nas aulas.

O Google Expeditions é uma ferramenta de realidade virtual que está revolucionando minhas aulas. Usando smartphones e um Google Cardboard, um óculos feito de papelão, vendido por um preço bem acessível, os alunos são guiados virtualmente para quase qualquer lugar do mundo que desejar (museus, represas, aeroportos etc.). O programa traz para a sala de aula uma realidade que professores e alunos juntos jamais teriam, por questões de custo, segurança e, mesmo, tempo.

O ponto positivo do Google Expeditions é que ele funciona em qualquer lugar, inclusive nas escolas sem internet, precisando somente de um tablet principal para o professor, smartphones com o aplicativo do Google Expeditions, os óculos da Google para os alunos e um roteador que permita que o programa funcione.

A realidade virtual é mais uma faceta do avanço da tecnologia que, como todas as outras, visa proporcionar praticidade e até mesmo conforto para todos nós, sendo inegável que ela está gradativamente revolucionando o ensino para as crianças e adolescentes como uma grande geradora de memórias, de modo a facilitar o pensamento associativo e transdisciplinar, facilitando o aprendizado e o contato com outras culturas e experiências de vida.

Conclui-se que o uso da realidade virtual é eficaz na retenção de informações e no acesso a um maior número delas.
Noutro passo, tem-se que a escola acaba sendo um reflexo da comunidade na qual está inserida, e a tecnologia, tão presente na realidade social, desafia o docente a alimentar novas perspectivas e a testar novos paradigmas, até mesmo por questões de readaptação à linguagem e anseios de seu discentes.

Entretanto

Entretanto Educação
Avalie o artigo
[Total: 0    Média: 0/5]
COMPARTILHE
PARTICIPE
Faça seu login
Avalie o artigo
[Total: 0    Média: 0/5]
COMPARTILHE
Recomendados
Outras matérias da mesma editoria