Os 4 tipos comuns de avaliação que os professores podem aplicar

por: Entretanto

Quando os pais ouvem a palavra “prova”, muitos pensam em “Preparem seu lápis”. Eles imaginam que a avaliação pela qual seus filhos passarão serão apenas aquelas em que eles devam utilizar apostilas, livros e folhas de gabarito.

Como professora de escola pública, utilizo diferentes tipos de avaliações. Quando ensinei uma turma de 2º ano a contar o tempo em um relógio analógico, distribui relógios e ditei diferentes tipos de horas. Os alunos moveram os ponteiros de seus relógios com suas próprias mãos para expressarem as horas, momento em que pude verificar quem não havia entendido a tarefa. Obtive o nível de aprendizado de meus alunos durante a aula e isso ajudou a concluir minhas instruções em tempo real.

O que as avaliações oferecem para mim, como professora, são informações sobre como os meus alunos estão aprendendo e percepções que me orientam na medida em que prossigo com meus planos de aula.

Como mãe, obtenho informações sobre as avaliações dos meus dois filhos, Jace (13) e Lucas (10) durante todo o ano escolar. Utilizo o feedback dos diferentes tipos de avaliaçõe (notas de trabalhos, notas dos professores e os resultados das avaliações padronizadas) para monitorar o progresso deles.

O que as avaliações oferecem para mim, como mãe, é um entendimento de como os meus filhos estão academicamente. Os resultados das avaliações são uma maneira de manter meus olhos dentro da sala de aula dos meus filhos, mesmo que eu não esteja lá. Estas informações me orientam em que assunto focar quando fazemos a lição de casa na mesa da cozinha.

Compreender os diferentes tipos de avaliações (ou os tipos de resultados que elas fornecem e como elas complementam umas às outras) pode ajudar os pais na orientação do aprendizado de seus filhos. Em meu entendimento, há quatro tipos de avaliação nas escolas hoje,  a avaliação diagnóstica, a formativa, a comparativa e a somativa.

Avaliações diagnósticas:

Esta avaliação é usada para “diagnosticar” o que um aluno sabe e o que ele não sabe. A avaliação diagnóstica normalmente acontece no início de uma nova fase da educação e abrange tópicos que serão ensinados aos alunos nas próximas aulas.

Os professores utilizam as informações das avaliações diagnósticas para nortear o quê e como ensinar. Eles passarão mais tempo ensinando as habilidades nas quais seus alunos enfrentam mais dificuldades de acordo com os resultados da avaliação diagnóstica. As avaliações diagnósticas também podem ser uma ferramenta útil para os pais. O feedback que meus filhos recebem nestas avaliações apontam que tipo de conteúdo eles estarão trabalhando em aula e me permite prever quais as habilidades ou as áreas em que poderão enfrentar problemas.

Avaliação formativa:

Esse tipo de avaliação é usada para medir a aprendizagem do aluno durante a aula. Ela é informal e vale pouca nota, utilizada ao longo de uma palestra e desenvolvida para dar aos alunos a oportunidade de mostrarem que compreenderam o assunto (como no exemplo acima, com a atividade do relógio). As escolas normalmente não enviam os relatórios das avaliações formativas para casa, mas trata-se de uma parte importante do ensino e da aprendizagem dentro da escola. Se você ajuda seus filhos com a tarefa de casa, você provavelmente está utilizando uma versão das avaliações formativas quando estudam juntos.

Avaliação comparativa:

Esta avaliação é usada para verificar se os alunos dominam um tópico do conteúdo. A avaliação comparativa é aplicada durante ou depois de uma aula e abrange uma parte do material. Ao contrário das avaliações diagnósticas, os alunos devem dominar o conteúdo da avaliação comparativa. Os pais receberão o feedback dessas avaliações frequentemente e eles são importantes para mim como mãe, pois me dão uma visão de quais conceitos os meus filhos não dominam. Se desejo rever um conceito com meus filhos, posso encontrar lições, vídeos ou jogos online, ou pedir recursos aos seus professores.

Avaliação somativa:

Esta avaliação é utilizada como uma forma de controle, no final do ano ou do curso, para avaliar quantos conteúdos os alunos aprenderam no geral. Esse tipo de avaliação é semelhante à avaliação comparativa, mas abrange tudo o que os alunos aprenderam ao longo do ano. Estas avaliações são aplicadas para todos os alunos em sala de aula, para que todos tenham uma oportunidade igual de demonstrarem o que sabem. Os alunos demonstram sua capacidade de desempenho em um nível prescrito como padrão para o teste de proficiência.

Uma vez que as avaliações somativas abrangem uma ampla variedade de conceitos de um determinado nível, elas não são capazes de avaliar nenhum conceito de maneira profunda. Como mãe, considero as avaliações somativas uma confirmação daquilo que eu já sei sobre o desempenho dos meus filhos. Eu não espero ser surpreendida com os resultados que recebo do feedback das avaliações diagnósticas, formativas e comparativas.

Combinando os resultados das avaliações: precisamos de um equilíbrio dos quatro diferentes tipos de avaliações, a fim de obter uma visão holística do desempenho acadêmico dos nossos filhos. Embora cada tipo de avaliação ofereça um feedback importante, o que vale mesmo é unir todos os resultados.

Com o uso de uma avaliação diagnóstica, é possível avaliar o que um aluno já sabe e o que ele aprenderá em uma próxima aula. As avaliações formativas auxiliam o professor e os pais a monitorarem o progresso de um aluno diariamente. Uma avaliação comparativa pode ser um indicador prévio de que os alunos alcançaram ou não os objetivos de uma lição, permitindo que os pais e os professores ensinem novamente os conceitos que o aluno apresenta dificuldades. O ideal é que, ao aplicar a avaliação somativa, os professores e os pais já saibam até onde o aluno aprendeu com o material. A avaliação somativa fornece a confirmação final.

Espero que da próxima vez que os pais ouvirem a palavra “prova”, eles não pensem apenas nas avaliações somativas. Ao invés disso, espero que eles pensem em todos os quatro tipos de avaliações e no valor de cada uma ao analisarem o progresso de seus filhos de maneira mais enriquecedora e profunda.

Kimberly O’Malley é uma professora de escola pública, mãe de dois meninos e pesquisadora da Rede de inovação & pesquisa da Pearson. Ela é especializada em métodos para medir o desenvolvimento do aluno e de encontrar novas maneiras de interpretar os resultados das avaliações para que estas sejam mais significativas.

Conteúdo originalmente publicado em Pearson Learning.

 

Receba nossa News