fbpx
22/07/2020

Especialistas debatem os efeitos do ensino domiciliar

Desde que estamos em um cenário de pandemia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o distanciamento social como uma forma de prevenção do alastramento do vírus. Embora eficaz, esta medida tem mudado diversos setores na sociedade, principalmente a educação. Professores, alunos e responsáveis atualmente lidam com um ensino à distância, o excesso de contato com a tecnologia e o desgaste do aprendizado.

Essa rotina, muitas vezes estressantes, causam problemas como a ansiedade. Para Daniela Dau, psicóloga e pedagoga, a pandemia tornou mais frágil uma série de coisas que já estávamos nos deparando. “Já havia uma série de problemas que já estavam colocados no sistema educacional e a pandemia apenas deixou tudo muito mais claro”, disse.

Porém, não é apenas o aprendizado de dentro de casa um dos maiores problemas. Atualmente, famílias lidam com a crise econômica que, consequentemente, afeta no estresse e ansiedade nas demais áreas. Débora Miranda, professora associada do departamento de Pediatria da Universidade Federal de Minas Gerais, conta que “a nova rotina, que muitas famílias não conseguem estabelecer, o uso exacerbado de games e outros fatores são os causadores das ansiedades que pais e crianças lidam hoje”.

Com o ensino domiciliar, a autonomia foi uma das competências que crianças estão se “apropriando” para continuar o ensino. Isso, segundo Lorrayne Soares, meste em medicina molecular na Universidade Federal de Minas Gerais, também pode ser um fator de atenção para os problemas na saúde mental. “Demanda uma organização e me motivação que por vezes crianças não possuem para estudar de casa”, compartilha.

Você confere a conversa completa sobre o tema no vídeo aqui. 

 

Entretanto

Entretanto Educação
Avalie o artigo
[Total: 0    Média: 0/5]
COMPARTILHE
PARTICIPE
Faça seu login
Avalie o artigo
[Total: 0    Média: 0/5]
COMPARTILHE
Recomendados
Outras matérias da mesma editoria