fbpx
06/12/2019

5 melhores livros do século XXI para aprender e ensinar

Recorte foi feito a partir da lista dos melhores livros do século XXI, publicada no El País

Recentemente, a Revista El País divulgou uma lista com as 100 melhores publicações literárias nas duas primeiras décadas do século XXI. Fruto das impressões e resenhas de 84 especialistas da literatura, muitas obras rastreiam períodos importantes da história, como as guerras mundiais, a guerra civil espanhola, o período pós-guerra, a descolonização e tantos outros momentos de grande relevância.

Entre os 100 melhores livros do século XXI indicados na lista, a Entretanto selecionou 5 deles para que os professores possa aprender, ensinar e compartilhar com seus alunos. Confira:

 

‘2666’, Roberto Bolaño

A obra 2666, do escritor chileno Roberto Bolanõ, figurou o primeiro lugar da lista. De acordo com os especialistas, nenhum outro autor influenciou tanto as novas gerações quanto ele. A obra foi considerada a melhor de uma produção literária “prematuramente interrompida”. O livro é composto de cinco romances, interligados por dois dramas centrais.

 

‘O Fim do Homem Soviético’, Svetlana Aleksiévich

Ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, entre o jornalismo e a história, a escritora ucraniana reuniu entrevistas realizadas entre 1991 e 2012 com pessoas que viveram o fim do comunismo.

 

‘Pós-Guerra – Uma História da Europa desde 1945’, Tony Judt

O historiador britânico mistura a vida cotidiana, a cultura e a política e mostra, de maneira clara, como estas vertentes se relacionam e influenciam. É o registro da evolução da Europa Pós-Guerra e uma obra fundamental para compreender as transformações do continente europeu nos últimos anos.

 

 

‘Persépolis’, Marjane Satrapi

Em uma história em quadrinhos, a única HQ da lista, a autora iraniana fala da revolução islâmica de 1979 pelo olhar de uma menina de apenas 10 anos que se viu obrigada a usar o véu islâmico em uma sala de aula. Uma autobiografia em quadrinhos que emocionou leitores de todo o mundo.

 

‘Crematório’, Rafael Chirbes

Em uma narrativa sensível, o escritor narra neste romance a corrupção urbanística na Espanha, como uma seiva que percorre todo o corpo de uma sociedade e dá valor simbólico à destruição da paisagem.

 

 

Resenhas originalmente publicados no texto do El País**

Entretanto

Entretanto Educação
Avalie o artigo
[Total: 1    Média: 5/5]
COMPARTILHE
PARTICIPE
Faça seu login
Avalie o artigo
[Total: 1    Média: 5/5]
COMPARTILHE
Outras matérias da mesma editoria