Como identificar transtornos de aprendizagem em sala de aula?

Como identificar transtornos de aprendizagem em sala de aula?

por: Entretanto

Os transtornos de aprendizagem podem ser definidos como dificuldades persistentes em uma habilidade acadêmica básica – leitura, escrita, ou matemática – que tem início durante os anos de educação formal (DSM-5). Esses transtornos acarretam em prejuízo significativo na funcionalidade e no desempenho escolar, e as dificuldades não podem ser melhor explicadas por outros fatores – como deficiências sensoriais ou intelectuais.

Por se tratarem de dificuldades acadêmicas, a demanda pela avaliação e intervenção geralmente partem da escola, e por isso o professor tem um papel crucial na identificação de tais transtornos. Como o professor tem a possibilidade de comparar o desempenho de diversos estudantes, torna-se mais fácil para ele identificar aqueles que estão aquém ao esperado.

O primeiro passo para a identificação de um transtorno de aprendizagem é conhecê-los. Abaixo estão descritos alguns sintomas comuns presentes nos distintos transtornos de aprendizagem.

Dificuldades na leitura

No início da alfabetização, dificuldades em reconhecer rimas e compreender jogos fonológicos;
Dificuldade no reconhecimento de letras do alfabeto;
Dificuldades em relacionar sons e letras
Dificuldade em ler palavras pouco frequentes
Problemas em memorizar palavras escritas;
Dificuldades em ler em voz alta com agilidade e sem cometer erros;
Dificuldade na leitura de números e de símbolos matemáticos;
Problemas na compreensão de textos escritos;
Dificuldades em compreender inferências;
Dificuldades em organizar o que se quer dizer verbalmente;
Problemas em recortar uma história considerando as sequências dos eventos;
Dificuldades na escrita
Escrita inconsistente e por vezes ilegível;
Incapacidade em permanecer nas linhas e margens do caderno;
Palavras ou letras inacabadas; erros de soletração e omissões de palavras;
Dificuldade na motricidade fina;
Lentidão na escrita ou escrita muito acelerada e imprecisa;
Nível de comunicação da escrita muito além à comunicação verbal;
Forma incomum de pegar no lápis ou de se posicionar ao escrever;
Relutância em realizar tarefas escritas;
Dificuldade em organizar as informações ao escrever;
Erros ortográficos frequentes quando isso não é mais esperado;
Dificuldades na matemática
Dificuldade na compreensão numérica não-simbólica. Exemplo: não conseguir distinguir rapidamente entre grupos com mais ou menos itens;
Dificuldade em organizar as operações matemáticas por escrito;
Dificuldades em transpor representações numéricas apresentadas em diferentes formatos. Exemplo: ao ouvir sessenta e cinco, escrever 56.
Dificuldade em seguir os passos das operações;
Dificuldades em montar e resolver operações a partir de problemas matemáticos;
Dificuldades em se lembrar e aplicar a lógica matemática em diversos contextos: contagem, se lembrar de datas, olhar as horas em um relógio analógico, etc;

Além das dificuldades específicas de aprendizagem, é comum que o professor se depare com crianças que apresentem outros transtornos do desenvolvimento. Dentre eles, a Deficiência Intelectual e o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade estão entre os mais frequentes. O quadro abaixo apresenta uma caracterização geral de cada um desses transtornos, segundo os critérios estabelecidos pelo DSM-5.

Deficiência Intelectual (DI)

Esse quadro é caracterizado por dificuldades intelectuais gerais. A criança tipicamente apresentará dificuldades em diversas áreas do aprendizado, e seu desempenho será abaixo do esperado em todas as disciplinas escolares;
O desenvolvimento motor, cognitivo e da linguagem tende a ser mais lento em comparação aos colegas;
A criança com DI costuma ter menos velocidade de processamento em comparação aos colegas;
Além das dificuldades intelectuais, existe um rebaixamento do nível de funcionalidade e do comportamento adaptativo;
Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)

Crianças com TDAH costumam apresentar dificuldade no controle intencional e no controle comportamental;
Podem não apresentar nenhuma dificuldade básica nas habilidades de leitura, escrita e matemática, mas a dificuldade em prestar atenção acaba afetando seu desempenho nessas disciplinas;Crianças com TDAH podem ser mais desatentas, se distraindo facilmente com estímulos externos e apresentando dificuldades em se concentrar por um longo período de tempo;
Podem ser mais agitadas, tendo dificuldades em permanecer sentadas, ou mexendo os membros a todo momento;
Podem ser impulsivas e ter dificuldades em esperar por sua vez. Por vezes podem se intrometer nas conversas e agir sem pensar.

Ao conhecer os sintomas comuns aos transtornos de aprendizagem, Deficiência Intelectual e TDAH, o professor é capaz de identificar aquelas crianças que apresentam perfil similar a esses transtornos e encaminhar a criança para uma avaliação mais pormenorizada.

Embora a função do professor não seja a de diagnosticar a criança, a identificação precoce dos sintomas facilita o estabelecimento da melhor intervenção para cada caso, e auxilia no aprendizado adequado de cada criança, respeitando suas diferenças.

Referências
American Psychiatric Association. (2014). DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Artmed Editora.
Friend, M., & Bursuck, W. D. (2002). Including students with special needs: A practical guide for classroom teachers. Allyn & Bacon, A Pearson Education Company, 75 Arlington Street, Boston, MA 02116.

Texto escrito por:
Isabela Sallum – Psicóloga
Mestre em Biologia Molecular – UFMG
Ilumina – Neurociências Aplicadas à Saúde Mental

Conteúdo originalmente publicado em Pearson Clinical.

Receba nossa News